sábado, 19 de maio de 2018

COMO CRISTO TRATOU O SEU TRAIDOR


Antes de Cristo ser julgado, várias tentativas foram feitas para prendê-Lo, mas todas sem sucesso (“Procuravam pois prendê-lo outra vez, mas Ele escapou-se de suas mãos.” João 10:39).
Numa delas, os sacerdotes e os fariseus ficaram indignados com os soldados que voltaram de mãos vazias. Dessa vez, a frustrada tentativa não recaiu sobre o medo da reacção da população, que não aceitaria a prisão de Cristo, mas porque os soldados ficaram atónitos com as Suas palavras. Eles disseram aos sacerdotes que “Nunca homem algum falou assim como este Homem.” (João 7:46). Os sacerdotes, indignados com os soldados, os repreenderam e disseram que ninguém da cúpula judaica havia acreditado n’Ele, apenas os “incultos” (“Creu n’Ele porventura algum dos principais ou dos fariseus? Mas esta multidão, que não sabe a Lei, é maldita.” João 7:48,49). O que não era verdade, pois vários sacerdotes e fariseus admiravam e acreditavam em Cristo, mas tinham medo de declarar isso em público (“Apesar de tudo, até muitos dos principais creram n’Ele, mas não o confessavam…porque amavam mais a glória dos homens do que a glória de Deus.” João 12:42,43).
Mas apesar de várias tentativas frustradas, chegou o momento de Ele ser traído, preso e julgado. Ele impressionou os soldados que o prenderam, por se entregar espontaneamente, sem qualquer resistência (“Sabendo pois Jesus todas as coisas que sobre Ele haviam de vir, adiantou-se, e disse-lhes: A quem buscais?” João 18:4).
Além disso, intercedeu pelos Seus discípulos que O acompanhavam, pedindo aos guardas que os deixassem ir (“Jesus respondeu: Já vos disse que sou eu; se pois me buscais a mim, deixai ir estes.” João 18:8). Assim, no momento da Sua prisão continuou a ter atitudes incomuns; ainda havia disposição n’Ele para cuidar do bem-estar dos Seus amigos.
Quando sofremos só temos disposição para aliviar a nossa dor, mas quando Jesus sofria ainda havia disposição n’Ele para cuidar dos outros. E não apenas isso. Na noite em que foi traído, a Sua amabilidade e gentileza eram tão elevadas que teve reacções impensáveis para com o Seu próprio traidor. Vejamos:
Cristo foi traído e preso no jardim do Getsémani. Era uma noite densa e Ele estava orando e esperando esse momento (“…Pai é chegada a hora…” João 17:1). Então, Judas aparece com um grande número de guardas. Cristo tinha todos os motivos para repreender e julgar Judas. Todavia, Mateus diz que, nesse momento de profunda frustração, Ele foi amável com o Seu traidor e chamou-lhe amigo, dando-lhe, assim, mais uma oportunidade para que ele se interiorizasse e repensasse no seu acto.
Judas, no momento antes, fez um falso elogio: “Eu te saúdo Rabi” (Mateus 26:49), e o beijou. Jesus, porém, lhe disse: “Amigo, a que vieste?” (Mateus 26:50). Aqui há algumas considerações a serem feitas. O facto de Judas beijar Cristo indica que Ele, Cristo, era amável demais. Judas, embora o estivesse traindo, sabia que Ele era amável, dócil e tranquilo (“Tomais sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração…” Mateus 11:29). Judas sabia que não era necessário o uso de nenhuma agressividade, nenhuma embosca ou armadilha para prendê-Lo. Um beijo seria suficiente para que Cristo fosse reconhecido e preso naquela noite.
Qualquer pessoa traída tem reacções de ódio e de agressividade. Por isso, para prendê-la são necessários métodos agressivos de segurança e contenção. Entretanto, Cristo era diferente. Judas sabia que Ele não reagiria, que não usaria qualquer tipo de violência e muito menos fugiria daquela situação, portanto bastava um beijo. Em toda a História da Humanidade, nunca alguém foi traído de maneira tão suave.
Cristo sabia que Judas o trairia (“Tendo Jesus dito isto, turbou-se em espírito, e afirmou, dizendo: Na verdade, na verdade vos digo que um de vós me há-de trair.” (João 13:21), e estava aguardando por ele. Quando Judas chegou, Cristo não o criticou nem se irritou com Ele. Teve uma reacção totalmente diferente do nosso padrão de inteligência. O normal seria ofender o agressor com palavras e gestos diante do medo de ser preso. Porém, Cristo não teve essas reacções. Ele teve a coragem de chamar ao seu traidor amigo!
Perdemos com facilidade a paciência com as pessoas. Dificilmente agimos com tranquilidade quando alguém nos aborrece e nos irrita. Desistimos facilmente daqueles que nos decepcionam.
Judas desistiu de Cristo, mas Cristo não desistiu de Judas. Ele deu-lhe até ao último momento uma preciosa oportunidade para que ele reescrevesse a sua história.
Que amor é esse que irrigava as emoções de Cristo em ambientes desesperadores? Em que mesmo no ápice da Sua dor, chama ao Seu traidor de amigo e estimula-o a rever a sua vida? (“As muitas águas não poderiam apagar este amor, nem os rios afogá-lo…” Cantares 8:7).
Nunca, na História, um traidor foi tratado de maneira tão amável e elegante! Cristo falava de um amor estonteante. Um amor que irriga o sentido da vida e o prazer da existência.
Um amor que se dá, que vence o medo, que supera as perdas, que transcende as dores, que perdoa (“Tudo sofre, tudo crê, tudo suporta.” 1Coríntios 13:7).
A uns Ele dizia: “Não chores”, a outros “Não temas” e ainda a outros “Tende bom ânimo”. Ele estava sempre animando, consolando, compreendendo e envolvendo as pessoas e encorajando-as a superar os seus temores, desesperos, fragilidades e ansiedades.
Somente o amor de Deus, expresso em Jesus Cristo, torna as pessoas insubstituíveis, especiais, ainda que não tenham status social ou cometam erros e experimentem fracassos ao longo das suas vidas.

Sem comentários:

WEBTV ClubeMais+