quinta-feira, 30 de outubro de 2014

NÃO CEDAS À AMARGURA

No que diz respeito à amargura (Efésios 3:1), há duas coisas que precisamos de ter sempre presente na nossa mente:
Primeira: É contagiosa. Tu e eu somos parte do corpo de Cristo. Então o que acontece dentro de nós, afecta, positivamente ou negativamente, aqueles a quem estamos ligados (1Coríntios 12:26). Uma mordidela de uma serpente não afecta apenas a parte do corpo que é mordida, o veneno espalha-se por todo o corpo, afectando todos os órgãos. (Hebreus 12:15). Todos nós precisamos uns dos outros. Ao conseguirmos ultrapassar a amargura vamos espalhar as bênçãos de Deus uns aos outros.
Segunda: Pode ser ultrapassada. Quando tomamos consciência dela e a admitimos. Quando nos arrependemos e rejeitamos qualquer atitude que não é de Cristo. Quando nos submetemos a Deus. Não infectando os outros e não deixar que os outros nos infectem. Tomemos a decisão de perdoar tudo o que é feito contra nós (“…perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo.” Efésios 4:32). Procuremos formas práticas para que isto seja realidade (“Antes sede uns para com os outros benignos, misericordiosos…”Efésios 4:32).

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

EDIFICANDO A TUA FÉ

Judas coloca a responsabilidade de tu e eu nos edificarmos espiritualmente sobre a nossa fé (vs.20). Existem dois tipos de fé: A “fé mecânica” e a “fé intencional”.
Cada vez que eu carrego num interruptor estou a exercitar “fé mecânica”. Mas quando enfrento o desconhecido, quando enfrento o que nunca foi tentado nem nunca foi feito, preciso da “fé intencional”, a fé que acredita que Deus “…é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente, além daquilo que pedimos ou pensamos.” (Efésios 3:20).
Se eu for proactivo, a minha fé irá crescer. Se eu for passivo isso não irá acontecer. Há uma erosão da nossa fé que vem das lutas do dia-a-dia. Se não fizermos nada para fortalecer e segurar a nossa fé, esta começa a deteriorar-se.
Cristo disse à igreja de Éfeso que se lembrasse da altura que tinha caído. Que coisa tão estranha para se dizer! Se eu caísse de uma altura significativa, de certeza que me lembraria. Mas se a queda fosse gradual seria diferente. Então perguntemos a nós mesmos: “Será que aqueles que me conhecem melhor começaram a reparar que o brilho desapareceu dos meus olhos, a alegria dos meus passos, a paz do meu espírito e a Palavra de Deus das minhas conversas?"
A fé é como um músculo; se não a exercitarmos consistentemente e constantemente, ficará atrofiada e fraca. A Palavra de Deus diz: “Sê vigilante e confirma os restantes, que estavam para morrer…” (Apocalipse 3:2).

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

RAABE

Raabe estava segura desde que ficasse dentro de casa. Antes de conquistar Jericó, Josué enviou dois espias numa missão de reconhecimento. Foi então que conheceram Raabe e fizeram amizade com ela e deram um fio de escarlate para pendurar na sua janela, para identificar a sua casa quando Israel invadisse Jericó não lhes fazer mal (2:18). Mas reparemos nas instruções que lhe foram dadas: “Será pois que qualquer que sair fora da porta da tua casa o seu sangue será sobre a sua cabeça, e nós seremos sem culpa; mas qualquer que estiver contigo em casa o seu sangue seja a nossa cabeça, se nele se puser mão.” (2:19).
Há uma lição aqui: “Entra na casa de Deus enquanto é tempo!” Se te estás a afastar da casa de Deus a mensagem é: “Não deixes a casa!”
No que diz respeito à importância de ficar debaixo da protecção de Deus, há duas grandes ilustrações bíblicas: “…porém nenhum de vós saia da porta da sua casa até de manhã.” (Êxodo 12:22). E segundo: “Disse Paulo ao centurião e aos soldados. Se estes não ficarem no navio, não podereis salvar-vos.” (Actos 27:31).
Percebemos a mensagem? Fiquemos na Igreja. Fiquemos na Palavra de Deus. Fiquemos no lugar de oração. Fiquemos na companhia daqueles que nos podem ajudar espiritualmente. 
Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Omnipotente descansará.” (Salmo 91:1).

WEBTV ClubeMais+