sábado, 29 de julho de 2017

A EXCELÊNCIA DO AMOR

“…nada disso me aproveitaria.” (1Coríntios 13:3).
         O que Paulo está dizendo é que se fosse possível, tudo isto, não passaria de exibicionismo egoísta. Temos aqui o espírito máximo do ego introduzido nos actos humanos. As quatro coisas que Paulo reprova como não tendo valor nenhum sem o amor, são todas coisas que engrandecem a pessoa, alimentando o amor-próprio, mas não podem substituir o amor ao próximo.
E Paulo a seguir dá uma descrição da natureza do amor, de Deus, com as suas nobres propriedades, que ele viu (e aprendeu) em Jesus. Cada qualidade destas era revelada em Cristo durante a Sua vida terrestre, e se o nosso amor a Deus e ao próximo se manifestar por meio da observância destas verdades resolveremos todos os nossos problemas.  
·        O amor (caridade) é sofredor - O amor é sofredor, porque tem paciência com pessoas imperfeitas.
·        O amor (caridade) é benigno - O amor é activo em fazer o bem.
·        O amor (caridade) não é invejoso - Não é invejoso, visto que não é competitivo, na verdade, ele quer que as outras pessoas avancem.
·        O amor (caridade) não trata com leviandade – Trata o próximo com consideração. Não é hipócrita, maldoso e irresponsável.
·        O amor (caridade) não se ensoberbece - Não trata os outros com arrogância.
·        O amor (caridade) não se porta com indecência - Mas demonstra boas maneiras e cortesia.
·        O amor (caridade) não busca os seus interesses - Não busca os seus interesses, insistindo em seus próprios direitos pelo contrário, é altruísta.  
·        O amor (caridade) não se irrita – Não é rude ou hostil, mas é amável quando está sob pressão.
·        O amor (caridade) não suspeita mal - Não mantém uma soma de maldades cometidas contra ele, ao invés disso, apaga ressentimentos.
·        O amor (caridade) não folga com a injustiça, mas folga com a verdade - Não encontra satisfação nos defeitos dos outros, disseminando um relatório ruim, pelo contrário, ele folga com a verdade, proclamando o bem.
·        O amor (caridade) tudo sofre - Defendendo e suportando as outras pessoas. Perante as ofensas mostra a presença do ágape que resolve criativamente os conflitos.
·        O amor (caridade) tudo crê - O amor não é crédulo mas sempre confia nas pessoas.
·        O amor tudo espera - Nunca abandonando as pessoas, mas afirmando seu futuro.

·        O amor tudo suporta - Perseverando e mantendo-se leal até o fim.

sábado, 22 de julho de 2017

A MULHER COM O FLUXO DE SANGUE

Não sabemos nada sobre essa mulher além do relato da sua cura. A doença que sofria a tornou ritualmente impura e isolou-a da sociedade (Marcos 5:24-34)

O que podemos aprender com esta mulher?

 - Ela era resistente, constante, teimosa
O que teria levado esta mulher a desconsiderar os tabus religiosos e a ser apertada pela multidão para chegar a Jesus? Quão rápido desistes quando as coisas não andam como queres?
 - Ela era persistente
Esta mulher procurava uma cura dos médicos há muitos anos (12) mas não desistiu da esperança. Existe uma situação em que estás buscando uma resposta no momento? Onde estás procurando?
 - Ela estava cheia de fé
Ouvindo falar de Jesus…” “Porque dizia: Se tão-somente tocar nos seus vestidos, sararei.” (Marcos 5:27,28). O que aprendemos sobre a fé da mulher? Que passo de fé precisamos de tomar?
 - Ela foi clara naquilo que Jesus lhe fez
 “Então, vendo a mulher que não podia ocultar-se, aproximou-se, tremendo, e, prostrando-se ante Ele, declarou-Lhe diante de todo o povo a causa por que lhe havia tocado, e como logo sarara.” (Lucas 8:47). Ela testemunhou o que experimentou. Às vezes nós nem percebemos o que Deus está fazendo na nossa vida!    
 - Ela adorou

 “Então a mulher, que sabia o que lhe tinha acontecido, temendo e tremendo, aproximou-se, e prostrou-se diante d’Ele, e disse-Lhe toda a verdade.” (Marcos 5:33). Qual é a nossa resposta à oração respondida? É fácil estar tão animado aproveitando o milagre que nos esquecemos de agradecer a Deus. Como respondemos quando a resposta não é o que esperamos?  

sábado, 15 de julho de 2017

MANTER UM ESPÍRITO CERTO


Consideremos as seguintes questões em relação à nossa própria vida:

- Quais as áreas que precisamos de proteger no nosso coração (alma)? Ou seja, onde estamos mais vulneráveis? “Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as saídas da vida.” (Provérbios 4:23).
- O que que significa ter um espírito firme e disponível (voluntário)? “ Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito recto. Não me lances fora da tua presença, e não retires de mim o teu Espírito Santo. Torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustém-me com um espírito voluntário.” (Salmo 51: 10-12).
- De que forma temos a comparar-nos com os outros? Há momentos em que achamos que merecemos mais respeito ou honra do que aquela que estamos recebendo? “Porque não ousamos classificar-nos, ou comparar-nos com alguns, que se louvam a si mesmos; mas estes que se medem a si mesmos, e se comparam consigo mesmos, estão sem entendimento. Porém não nos gloriaremos fora de medida mas conforme a recta medida que Deus nos deu, para chegarmos até vós.” (2Coríntios 10:12,13).
 - Quem são os nossos relacionamentos? Esses relacionamentos movem-nos para a frente na nossa vida cristã ou impedem-nos? Que efeito têm eles na nossa vida? “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?” (2Coríntios 6:14).
- Quão bom somos a assumir a responsabilidade pelo fracasso? Como podemos melhorar nesta área? “O que repreende o escarnecedor, afronta toma para si; e o que censura o ímpio, recebe a sua mancha. Se fores sábio, para ti sábio serás; e, se fores escarnecedor, tu só o suportarás.” (Provérbios 9:7,12).
- Quem culpamos quando experimentamos oposição? Estamos lutando contra os inimigos certos? “Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.” (Efésios 6:12).

- Quem ganha a glória quando experimentamos sucesso? “Esforça-te e tem bom ânimo; porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria.” (Josué 1:8) “Porque o Senhor é o nosso Deus; Ele é que nos fez subir, a nós e a nossos pais, da terra do Egipto, da casa da servidão, e o que tem feito estes grandes sinais aos nossos olhos, e nos guardou por todo o caminho que andamos, e entre todos os povos pelo meio dos quais passamos.” (Josué 24:17).

POSICIONADOS PARA ABENÇOAR

A parábola dos trabalhadores na vinha (Mateus 20:1-16) não é apenas sobre os trabalhadores à espera de serem contratados, mas é também sobre o proprietário que está em posição para contratá-los. Os trabalhadores só podem esperar oportunidade, mas o proprietário está em posição para trazer oportunidades e ser uma bênção para outros.
A parábola termina com a afirmação de Jesus que "os últimos serão os primeiros". Isso é uma realidade para os trabalhadores da parábola porque o proprietário está em posição e tem o poder de que seja assim. Esse tipo de posição tem sido sempre no plano de Deus para o Seu povo. Em Deuteronómio 28:13: (“E o Senhor te porá por cabeça, e não por cauda; e só estarás em cima e não debaixo, quando obedeceres aos mandamentos do Senhor teu Deus…”), Deus não só prometeu estabelecer, abençoar e prosperar os que O seguem, mas também que eles estarão em posição para abençoar outros.  
A promessa de Deus a Abraão não era apenas uma bênção para ele sozinho, mas era para ser uma bênção para outros.

Bênção nunca é apenas sobre nós, mas trata-se de outras pessoas - incluindo as gerações futuras. Estamos a construir para as gerações que nos sucederão (“Em lugar de teus pais será a teus filhos que farás príncipes da Terra.” Salmo 45:16). Isso significa que que nós precisamos de ser determinados e fiéis no nosso propósito, enfrentando desafios com fé, confiando que, como povo de Deus, podemos crer que Ele nos trará através de vales do choro, e nós podemos determinar-nos a transformar esses vales em piscinas de bênçãos à medida que avançamos “de força em força” (“O qual passado pelo vale de Baca, faz dele uma fonte; vão indo de força em força; cada um deles em Sião aparece perante o Senhor.” Salmo 84: 6,7).

sexta-feira, 7 de julho de 2017

EMANUEL - DEUS CONNOSCO

Existem mais de 200 nomes na Bíblia, dados a Deus que são usados para se relacionar com a Sua natureza e como Ele funciona. Jesus foi chamado Emanuel porque o nome caracteriza a Sua missão: Ele desceu à Terra para estar connosco e mostrar a Sua graça salvadora. Ele não só caminhou sobre a Terra, mas também, depois de ascender ao Céu, enviou o Espírito Santo, para que nunca mais tenhamos de ficar sozinhos. Deus é Omnipresente - Ele está perto e está em todo lugar que Ele quiser (“Para que buscassem ao Senhor, se porventura, tateando, o pudessem achar; ainda que não está longe de cada um de nós.” Actos 17:27).
A Criação grita a Sua glória (Salmo 148:3,4,7,8,9,10). Para todo o lugar que olhamos, vemos a mão de Deus. No entanto, neste mundo caído, a vida pode se desdobrar de maneira inesperada, deixando-nos a questionar Deus, "Onde é que estás, Deus?” "
Precisamos conhecer e ser encorajados que, mesmo em situações em que não podemos ver o avanço, o milagre ou o sonho realizado, sabemos que Deus está trabalhando em nosso favor e que Ele está connosco!
Jesus diz claramente em João 14:18, que não iria deixar-nos como órfãos, mas estaria connosco sempre. Pode haver áreas da nossa vida em que nos sentimos completamente abandonados e sozinhos, sem ninguém em quem nos apoiar Mas saber que Emanuel, o Deus acima de tudo, é connosco, tudo pode ser diferente.
As palavras "Alfa e Omega" são, respectivamente, a primeira e a última letra do grego alfabeto. Tanto no Antigo e Novo Testamento, Deus se refere a Si mesmo como "O Primeiro E o Último.
Este nome de Deus destaca a Sua divindade, supremacia e soberania. O que Ele começou, será concluído. Deus é eterno e fora do tempo; Ele simplesmente…É! Nunca houve um momento que Ele nunca existiu. Neste momento sabemos que vamos viver uma relação com Ele para sempre.
Deus é o Senhor das nossas vidas, do mundo em geral e de toda a Criação. Podemos descansar em saber que, mesmo não O vendo ou senti-Lo o tempo todo, Ele está trabalhando todas as coisas para a Sua glória.  

Deus não muda. Ele é a única pessoa que podemos confiar plenamente sabendo que Ele é constante e será o mesmo amanhã como é hoje! Prometeu estar connosco todos os dias, e isso Ele não falhará! (Mateus 28:20)

sábado, 1 de julho de 2017

O QUE VAMOS DEIXAR PARA AS GERAÇÕES SEGUINTES?

- Pequenas decisões que enfrentamos podem ser grandes decisões, se concretizadas. As nossas decisões podem ter impacto geracional. Se nós somos sábios, como Jesus, tomaremos decisões que deixam uma herança e herança para as gerações futuras. Como pioneiros do Evangelho de Jesus, estamos escolhendo criar um caminho para os nossos filhos e filhos dos nossos filhos.
- Deus falou com Abraão, o pai da nossa fé, sobre as gerações futuras e as bênçãos que envolveriam os seus descendentes. Abraão escolheu viver a sua vida em obediência fiel a Deus, obedecendo às decisões de Deus.
            - Ele poderia ter feito escolhas pensando apenas em si mesmo, no seu conforto e o que era mais fácil para ele, mas ele não fez. Abraão permaneceu fiel a Deus e o que se seguiu foram promessas cumpridas (“Mas nós, irmãos, somos filhos da promessa como Isaque.”; “De maneira que, irmãos, somos filhos, não da escrava, mas da livre.” Gálatas 4:28,31), que trouxeram bênçãos e impacto geracional que levou todo o caminho até Jesus.
- Nas nossas vidas, nós também tomamos decisões que irão ter impacto nas gerações seguintes a nós.
- As nossas decisões devem ser tomadas com o futuro em mente. As decisões diárias não só têm consequências para as nossas vidas, mas também para as nossas famílias e futuras gerações.
- Podemos permitir que as circunstâncias guiem as nossas decisões, mas só porque algo parece ser a coisa mais fácil de fazer agora, não significa que seja a melhor coisa para o nosso futuro.
- As escolhas não podem ser governadas por indecisão, conforto, estabilidade ou impulsividade, mas serão encontradas no propósito de Deus (“Antes tem o seu prazer na Lei do Senhor, e na Sua Lei medita de dia e de noite.” Salmo 1:2).

Conclusão: Nunca subestimemos o impacto das nossas vidas sobre as gerações futuras, e sempre acreditemos no que Deus pode fazer dentro e através das nossas vidas.  

WEBTV ClubeMais+