sábado, 23 de maio de 2020

O INSTRUMENTO DO VASO

A Bíblia não nos compara a qualquer peça de barro. É específica, quanto a isso. Fala do vaso. Porque Deus não trabalha em nós para sermos artigos de decoração. Ainda que o vaso possa ter uma utilização decorativa, ele é um objecto de utilidade. Ele tem o potencial da utilidade. Ele não é fechado, é aberto. E tem uma cavidade para receber algo, para ser depositado nele alguma coisa. Não sejas fechado. Nem no sorriso, nem na amabilidade, nem na generosidade. Alguém que está fechado para dar, não está aberto também para receber. Não sejas maciço, cheio de ti mesmo, que não possas receber e transportar o que Deus tem para ti.
Não és um objecto de decoração para seres visto e apreciado. Ou para ficar numa prateleira numa vida passiva e infrutífera.
És um potencial cheio de utilidade. Aberto para o que Deus quer depositar; vazio de ti mesmo para seres cheio do que Deus quer derramar. Aberto para retirares o que Deus quer para os outros. Não és um monumento, és um instrumento! Não és para exposição, és para ação! Não és uma futilidade, és de grande utilização! (Jeremias 18:4)
As mãos do Oleiro que te formou e preparou são as mesmas mãos que te querem usar de forma poderosa!

segunda-feira, 11 de maio de 2020

A RODA DO OLEIRO

No fabrico de um vaso, o oleiro faz a modelagem do barro através do que se chama a roda do oleiro. Ele coloca o barro num prato, que está num aparelho (o torno) que o faz girar a uma velocidade que o oleiro controla. Esse movimento giratório é o que possibilita que o oleiro dê a forma que ele quer ao barro. 
Por vezes, a nossa vida gira a uma velocidade alucinante. E sentimo-nos "zonzos", e às voltas, sem sair do mesmo lugar. E ficamos com a sensação de não estarmos a experimentar nada de bom; que está a ser negativo.
Mas a roda é fundamental para a grande transformação do barro de disforme para uniforme. A sua modelagem é a combinação entre duas coisas: As mãos e a roda do oleiro. Algumas pessoas querem a as mãos do oleiro, mas não querem a velocidade do prato. Outros querem as experiências da vida, mas não querem as mãos do oleiro. Mas a verdade é que tem de ser uma combinação das duas. Precisamos das mãos do oleiro e da experiência da roda giratória...
Às vezes não entendemos porque é que Deus permite que a nossa vida atinga velocidades frenéticas. Mas isso deve-se ao facto de que Deus quer trabalhar em nós, na nossa "forma", e com isso dar-nos "forma" e pôr-nos em "forma"!

domingo, 10 de maio de 2020

NUNCA SERÁS ABANDONADO

Por vezes, sentimo-nos inseguros, ou frágeis. A ameaça de uma crise, a dificuldade de uma situação, a pressão de um constrangimento, a preocupação de uma impossibilidade...
Por vezes sentimo-nos sós...Pessoas que nos traíram, que magoaram, que se afastaram, ou "simplesmente" nos desprezaram ou ignoraram...Pessoas que se recusaram a ajudar, ou a ficar perto...Ou apesar de tantas pessoas à volta, o sentimento de solidão é forte na mesma...é algo interior, é um vazio, um sentimento de abandono...
Mas o Deus que criou todas as coisas, que é dono de todas elas, que te criou, comprou e resgatou, diz: "...Não te deixarei, nem te desampararei." (Hebreus 13:5) Podem todos te abandonar, mas Ele nunca te deixará.
Quando os pregos perfuraram as mãos de Jesus Cristo, foi por ti! Ele ressuscitou e venceu a morte, foi por ti!
As mãos foram perfuradas para resgatar-te. Para que não vivas nem te sintas sozinho. Para que saibas que és amado. Para que tenhas a plena certeza que nunca serás abandonado. Para que tenhas a âncora firme de saber que Ele está contigo!

quinta-feira, 7 de maio de 2020

VIVE A VIDA SEM RECLAMAR

O filho que muitas vezes não arruma o quarto e fica a ver televisão, significa que...está em casa!
A desordem que tenho de limpar depois de uma festa, significa que... estive rodeado de familiares e amigos!
As roupas que estão apertadas significam que...tenho mais que suficiente para comer!
O trabalho que tenho em limpar a casa, significa que...tenho uma casa!
As queixas que escuto acerca do governo, significam que...há liberdade expressão!
O facto de não encontrar estacionamento, significa que...tenho carro!
Os gritos das crianças, significam que...não sou surdo!
O cansaço no final do dia, significa que...posso trabalhar!
O despertador que me acorda todas as manhãs, significa que...estou vivo!
O que é que é de facto significativo para nós?
Não reclames. Agradece! Esse é o segredo do bem-estar e da felicidade!
"E a paz de Deus, para a qual também fostes chamados em um corpo, domine em vossos corações, e sede agradecidos." Colossenses 3:15

segunda-feira, 4 de maio de 2020

HÁ ESPERANÇA!

No dia 6 de Agosto de 1945 foi lançada sobre a cidade de Hiroshima, no Japão, a primeira bomba atómica da História, que provocou uma explosão com uma temperatura 40 vezes à do sol! A população foi quase toda dizimada e a destruição dos edifícios e das estruturas da cidade foi quase total. Porém, apenas a um quilómetro do epicentro da explosão sobreviveu uma árvore chamada "ginkgo biloba", que um ano depois da explosão brotava novamente entre as ruínas!
Foi algo surpreendente que maravilhou e ainda hoje maravilha o mundo. A árvore ainda continua hoje no local como um exemplo e referência de sobrevivência e esperança.
A natureza está dotada dessa capacidade de regeneração e renovação, diante de cataclismos e catástrofes.
O ser humano não é excepção. A sua capacidade de sobrevivência e adaptação são deveras notáveis. Relatos de sobreviventes de guerras, catástrofes e crueldades enchem os anuais da História.
Podes ter sido alvo de ataque, de algum tipo de devastação, de tragédia, de crime, ou mesmo caos. Podem ter existido danos, perdas e dor. Mas isto é o que Jó, um homem que experimentou devastação a nível familiar, financeiro e de saúde, disse: "Porque há esperança para a árvore, que se for cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus renovos. Se envelhecer na terra a sua raiz, e morrer o seu tronco no pó, ao cheiro das águas brotará, e dará ramos como a planta." (Jó 14:7-9).
As águas de Deus correrão na tua direção e irás brotar, florescer, revitalizar, recuperar e frutificar.
Há esperança para ti!

domingo, 3 de maio de 2020

ABRE O TEU CORAÇÃO PARA DEUS!

Não há razão para pôr paninhos quentes naquilo que conversamos com Deus. O melhor mesmo é abrir o jogo todo sem rodeios. Quando estamos à rasquinha é para Lhe dizer logo. Só nos faz mal fingir que não estão a fazer mossa os complôs de que somos alvo. Admitamos de uma vez por todas que precisamos para ontem da Sua protecção. É que sem a Sua cobertura fica difícil, para não dizer impossível, escapar ileso do fogo cruzado a que estamos sujeitos. Há por aí muito “boa” gente que gosta de disparar enxovalho a torto e a direito. Livre-nos Deus dessa maltinha. Desempoeire-nos Ele quando fizerem de nós tapete. Contemos-Lhe como estamos fartos de servir de saco de pancada. Mostremos-Lhe as feridas provocadas pelas “palavras venenosas” com que nos picam. Manifestemos a nossa estupefacção por tanta maldade e impunidade. Não engulamos o que urge ser desabafado. Expressemos incómodo ao mais leve cheiro a conspiração. Trate, pois, cada um de conferir a motivação com que abre a boca e sela alianças, já que “o coração humano é muito fundo.” Quando não é por terceiros, somos fintados pelo nosso ego, razão pela qual há que insistir nos exercícios introspectivos para que Deus opere as refregas que entender na nossa alma. Deus não dorme, pelo que a cama que estejamos a fazer a outros será aquela em que nos deitaremos. A despeito das adversidades, contentemo-nos sempre em fazer o bem: “O justo encontra no Senhor a sua alegria!”

ELE É O SALVADOR

O Senhor Jesus tem o maior prazer em estar com gente que assume as suas debilidades e imperfeições. Aliás, são os que se sentem esfarrapados por dentro que O procuram a todas as horas. Querem ouvir a Sua voz, pois é a única que os acalma. Deliciam-se com a companhia d’Ele, já que os acolhe como mais ninguém. A crítica venenosa da ala religiosa sobre o desplante de Jesus Se deixar rodear de malta tão estranha, é mel para os Seus ouvidos. Jesus está nas Suas sete quintas ao pé daqueles que se sentem perdidos, não dos que julgam ter saúde espiritual para dar e vender. Ele veio para os doentes da alma. Jesus carrega aos ombros “todo satisfeito” ovelhas feridas. Tão bom saber que o Seu amor abrange aqueles que os “santinhos” excluem: “Haverá mais alegria no Céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não precisam de se arrepender.”

DEUS É JUIZ

É super duro quando sentimos que há gente disposta a, mais do que nos morder os calcanhares, destroçar-nos de alto a baixo. Aí, ao invés de sofrer pela calada, nada melhor do que gritar a Deus por socorro. Sem cerimónia ou acanhamento. Ele não só nos escuta como nos ergue. Mais ninguém se importa connosco como Aquele que nos criou. Bem podemos esperar sentados se ficamos à espera do auxílio humano, que muito promete e pouco ou nada cumpre. E é bom que essa consciência crítica comece exactamente por nós. O exercício da introspecção é essencial para ficar em paz com Deus. No fundo, é conveniente que nos coloquemos a(o) Seu jeito. Expressemos o desejo ardente de ver interrompida a espiral de injustiça, sabendo que assim até a nós Se oporá caso estejamos a contribuir para essa cultura de morte. Peçamos-Lhe que faça frente a todo o tipo de agentes maliciosos e fortaleça os que procuram viver na Sua dependência: “Desperta, meu Deus, e pronuncia a sentença.” Conhecedores da Sua soberania e do modo como examina imparcialmente os pensamentos de qualquer pessoa, há que confiar inteiramente na Sua protecção. Deixemos de nos preocupar com os que ousam afrontá-Lo, pois acabam por cair no fosso que cavam. Sim, “Deus é um juiz justo, que condena sempre a maldade.” Enalteçamo-Lo todos os dias!

DISCERNIMENTO

O Senhor Jesus esteve sempre ciente da Sua missão. A aproximação da hora de "deixar este mundo para ir para o Pai" não Lhe retirou ponta de discernimento. Não procurou galgar degraus, nem Se deixou atingir por nenhuma espécie de vaidade real que o impedisse de servir. A Sua máxima era amar e fê-lo até ao fim. Sem reservas mentais, mesmo quando os Seus seguidores, não querendo dar parte de fracos, se indispuseram para uma tarefa simples, rotineira e classificada de menor. Inclusive quando um deles escolheu atraiçoá-Lo não Lhe virou as costas. Mais, sabendo por antecipação que o "Pai Lhe tinha dado toda a autoridade, que tinha vindo de Deus e que voltaria em breve para Deus", não se coibiu de lavar os pés e enxugá-los a todos, sem excepção. E havendo alguma relutância da nossa parte em permitir que Ele no-lo faça, Jesus remete-nos para a necessidade imperiosa de colocarmos o orgulho de lado, dando lugar à humildade que O caracteriza. Deixemos que Ele nos limpe de dentro para fora para podermos desfrutar a Sua vida em nós. E a melhor forma de o demonstrar é imitar o Seu exemplo no quadro dos nossos relacionamento interpessoais. Sim, conforme Jesus nos disse: "Já sabem o que é preciso fazer. Felizes serão se o puserem em prática."

RELACIONAMENTOS COM JESUS

O Senhor Jesus privilegiou relacionamentos até ao fim. Nem a cruz O demoveu de desfrutar a companhia dos que Lhe eram próximos. Ele sente-Se em casa quando, os que por Si foram ou desejam ser renovados, O acolhem de braços abertos. Ele estava sempre pronto para Se sentar à mesa e partilhar vida. Do pão ao vinho tudo ao pé d’Ele sabe a céu. Agora a forma como cada pessoa aproveita o tempo com Ele é que varia consoante a (in)sensibilidade individual. Há quem não queira perder pitada do que Ele diz e sorva as Suas palavras. Outros, de tão gratos, só lhes apetece perfumar os Seus pés. De alma lavada, abrem a carteira, “soltam os cabelos” e o que mais estiver ao Seu alcance para expressar o amor que Lhe têm. Nada os pára, nem sequer os comentários preconceituosos, depreciativos ou gananciosos. Estes têm origem em corações impenetráveis que, por mais perto que tenham andado de Jesus, não O conhecem verdadeiramente. Não é chegado a Jesus quem prive com Ele, mas sim os que se Lhe submetem. Aqueles que percebem a mensagem da cruz, difundem-na por todo o lado e deixam um rasto de amor por onde passam.

ELE É O SENHOR!

Há imensas coisas que o Senhor Jesus fez das quais não temos conhecimento. Não estão registadas por escrito porque é humanamente inalcançável verter para palavras todos os sinais que operou. Quanto muito temos acesso a uma selecção dos Seus principais feitos, que são aliás mais do que suficientes para que cada pessoa possa concluir que Ele é inegavelmente O Salvador. Ninguém precisa de informação extra para reconhecer o Seu senhorio. Bem podemos escarafunchar e até especular que nada se acrescentará à Sua biografia. É impossível apresentar uma versão completa da Sua vida, até porque está para lá da nossa existência. Ele é eterno e nós finitos. Jamais poderemos encaixotá-Lo e ter a pretensão de O definir de alto a baixo. O Senhor Jesus está acima de tudo o que sobre Ele possa ser dito. O que não invalida o desejo de querer conhecê-Lo melhor. Assim, com os dados a que temos acesso sobre a Sua Pessoa aceitemos o convite para interagirmos com Ele dia após dia. A nossa vida só ganha o seu real significado quando finalmente interiorizamos que ela gira em torno d’Ele e Lhe pertence por inteiro.

O FILHO de DEUS

Bom seria que qualquer pessoa ao ver o Senhor Jesus caminhar na sua direcção reconhecesse de imediato que é Ele a sua Única tábua de salvação. Até porque não há outro que tire "o pecado do mundo." Aliás, sempre houve no decorrer da História quem se apresentasse como salvador da pátria, mas somente Jesus Cristo apareceu para pagar o preço cabal. Daí que Lhe tenha sido atribuído o título de "Cordeiro." Esta figura resume na perfeição o Seu sacrifício em nosso favor. Assim, discirna cada um por si a necessidade premente que tem de ser limpo por dentro. Só mesmo o Senhor Jesus para pôr em ordem o caos interior da alma humana. Sim, é Ele que nos dá o verdadeiro banho do Espírito e nos encharca no amor do Pai. Juntemos, pois, a nossa voz à daqueles que ao longo dos séculos têm declarado: "Eu vi e dou testemunho de que este é o Filho de Deus."

PEQUENOS!

Há quem faça de nós seres maiores do que realmente somos. A nossa única grandeza passa por ter a noção da nossa pequenez face ao Senhor Jesus. Por mais que insistam em elogiar as nossas qualidades e façanhas, importa travar os ímpetos ao ego. Quando as atenções estiverem todas centradas em nós, toca a desviá-las prontamente para Jesus. (E boa parte das vezes isto envolve ouvir e acarinhar os “pequeninos” e anónimos à nossa volta.) Resistamos à tentação de chamar a nós a admiração e o fascínio que os nossos procedimentos provoquem noutros, já que na verdade é o Espírito Santo a fazê-lo por e através de nós. Até porque lá no fundo ao colocarem-nos num pedestal e nós aceitando, estaremos ambos a cair na esparrela de remeter o Senhor para segundo plano. Quem dera que ao perguntarem-nos: “Que dizes de ti mesmo?”, haja discernimento para nos apresentarmos como simples amigos de Jesus, “de Quem não somos dignos de Lhe desatar as correias das sandálias”.

FAÇAMOS O QUE ELE DIZ!

Não há momento nas nossa vidas em que o Senhor Jesus não deseje estar presente. Ele faz questão de Se juntar a nós nos baixios, mas também nas alturas festivas. Não foi por acaso que o Seu primeiro milagre ocorreu num casamento. Lá estava Ele a festejar o entrelaçamento de duas vidas. Discreto, mas atento. Reservado, mas preparado. Chegada a notícia da carência, ei-Lo em acção para evitar o fiasco. A falta de vinho não era propriamente uma tragédia, contudo para os noivos seria uma vergonha. É claro que a Sua missão estende-se largamente além da imagem social que um casal possa ver afectada, mas não deixa de nas pequenas coisas revelar o Seu poder soberano. Haja, pois, da nossa parte total disponibilidade para agir conforme “tudo o que Ele nos disser”, mesmo que nos possa parecer um absurdo. Confiemos n’Ele por inteiro, e veremos que nos reserva o melhor para o final!