segunda-feira, 2 de janeiro de 2023

COMO NEEMIAS OROU

 Neemias estava servindo como copeiro do rei Artaxerxes na Pérsia quando recebeu más notícias. Os seus companheiros judeus que tinham voltado para Judá estavam sofrendo terrivelmente nas ruínas de Jerusalém. Quando ele soube da situação, lamentou, jejuou e orou (1:5-11). Na sua oração encontramos quatro aspetos importantes para nós.

- Ele reconheceu a exaltada posição de Deus (vs.5). Neemias estava aproximando-se do Senhor, e sabia que Ele era o “Deus dos céus, Deus grande e temível” (Isaías 33:5; 57:15).

- Ele reconheceu a humilde posição do homem (vs.6,7). Diferente de alguns homens arrogantes dos dias de hoje, que agem como se não tivessem pecado e tivessem o direito de dar ordens a Deus, Neemias entrou na presença de Deus com grande humildade. Ele confessou os seus próprios pecados e os do seu povo. Ele não fez, nem podia fazer, exigências. Ele era um suplicante indefeso e humilde, que reconhecia a enorme distância entre o Deus perfeito e os homens pecadores.

- Ele baseava a sua petição na absoluta fidelidade de Deus (vs.8-10). Neemias não tentou Deus a mudar, porque Deus já é perfeito e justo. Deus cumpre as Suas promessas. Sofrimento do povo não era uma falha de Deus, mas o resultado do pecado deles próprios. Esta mesma fidelidade de Deus foi a base da esperança de Neemias. Ele sabia que tão certo como Deus tinha cumprido as promessas de castigar, Ele cumpriria as Suas promessas de resgate do Seu povo escolhido (Deuteronômio 4:31).

- Ele pediu com fé (vs.11). Finalmente, Neemias faz o seu pedido. Ele pediu a Deus uma porta aberta para que ele ajudasse o seu povo. Ele estava preparando-se para pedir ao rei para deixá-lo ir a Jerusalém para reconstruir os muros da cidade. Neemias colocou a sua confiança no Senhor, que é poderoso para abençoar os planos daqueles que verdadeiramente confiam n’Ele.

Precisamos de orar com a mesma humildade e fé de Neemias. Não temos o direito de fazer exigências a Deus, mas temos o privilégio de poder falar com Ele em oração!

Sem comentários: